Carregando...

17 de Dezembro de 2014
Sofrer um ataque de hacker não é nada legal, mas se os ataques à Sony Pictures, em novembro, produziram algo bom, foi a informação de uma possível produção de Super Mario Bros.

Segundo informações do site Buzzfeed, em uma troca de emails entre o produtor Avi Arad (de Homem de Ferro e Homem-Aranha), em uma mensagem enviada à Amy Pascal, vice-presidente da Sony, em outubro deste ano, Arad disse que estava orgulhoso de ser o pai do filme de animação de Mario. Após isso, Avi enviou outro e-mail com fotos dele ao lado de Shigeru Miyamoto, criador de Mario, e do presidente da  Nintendo, Satoru Iwata, que estava copiado na mensagem. Mesmo com essas informações, o produtor negou ao Buzzfeed que as negociações estariam finalizadas, mas admitiu que elas existem e que estão em fase inicial.

Bom lembrar que em 1993 os cineastas Annabel Jankel e Rocky Morton produziram Super Mario Bros. No
longa, Bob Hoskins (Uma Cilada Para Roger Rabbit) interpretou Mario e John Leguizamo (Moulin Rouge)
seu irmão, Luigi. Os personagens viajam para outra dimensão para resgatar uma princesa de um ditador
malvado, o Rei Koopa, e impedi-lo de dominar o mundo.

Agora, resta-nos esperar para ver se o filme sai mesmo.



11 de Dezembro de 2014

O mundo assistiu perplexo o lançamento da obra-prima The Wall, do Pink Floyd, em novembro de 1979. Porém, toda aquela história e grandiosidade, que mais tarde fora adaptada para os cinemas, parecia não agradar todo mundo.

Do outro lado, tinhamos os caras do Sex Pistols e do The Clash trazendo toda aquela idéia do "Do It Yourself" (faça você mesmo) e as idéias de contestação do sistema, música rápida e básica, sem muita complicação, mas com muito a dizer.

Então, no último mês de 1979, o The Clash lança o seu melhor álbum. London Calling representou uma mudança na sonoridade da banda sem perder as raízes. Foi o disco responsável por catapultar a banda ao sucesso, mesmo após ter produzido hits como "White Riot" e "Tommy Gun", presentes em seus dois primeiros registros.

Sobre o London Calling

Antes de falar sobre o London Calling, é preciso retornar aos primeiros discos da banda formada por Joe Strummer, nos vocais, Paul Simonon, no baixo, Mick Jones, na guitarra e Topper Headon, na bateria. Enquanto o homônimo, de 1977, tinha uma sonoridade mais crua, em Give 'Em Enough Rope (1978), o The Clash começou a elaborar mais suas canções e introduzir elementos que seriam mais marcante em LC, mas sempre incluindo temas contemporâneos em suas letras.

London Calling foi composto e teve suas demos gravadas no Vanilla Studios. Após romper com o empresário Bernard Rhodes, a banda precisou encontrar um novo local para ensaiar e o Vanilla foi escolhido. Por querer lançar um LP duplo, Strummer queria gravar em definitivo o LC no Vanilla, uma vez que lá eles tinham equipamentos emprestados de Bob Pridden, operador de som do The Who, o que diminuiria os custos.

Mesmo com esse argumento, a gravadora decidiu gravar o disco no Wessex Sound Studios, Londres. O registro foi produzido por Guy Stevens e lançado em LP duplo.

A sonoridade

Diferente de seus antecessores, o The Clash introduziu em London Calling músicas em ritmo ska, soul, jazz, rockabilly e reggae. Eles iam do punk na faixa título, passando ao ska em "Wrong 'Em Boyo", e ao disco em "Lost in the supermarket". Essas mudanças ficariam ainda mais evidentes em "Sandinista", quarto registro de estúdio do grupo.

A arte da capa

A foto foi tirada por Pennie Smith, durante uma apresentação do The Clash no The Palladium, em Nova York. Segundo contam, a platéia não estava muito animada o que estava deixando os integrantes irritados. Em um momento de fúria, o baixista Paul Simonon quebrou seu baixo. O Fender Precision Brass está em exposição no Cleveland Rock and Roll Hall Of Fame, desde maio de 2009.

Seu legado

London Calling foi eleito o oitavo melhor disco de todos os tempos, pela revista Rolling Stone. Sua capa ficou entre as dez melhores, também segundo a Rolling Stone. Esteve no Top Ten britânico e o single "London Calling" vendeu mais de 5 milhões de cópias em todo mundo. Então, depois de tudo isso, como você nunca ouviu London Calling, do The Clash?

Por: Victor Gonzalez